Certificado de Qualidade

Central de Atendimento: (14)3202-6373

Teste inédito de câncer de próstata traz resultados mais específicos

segunda, 13 de novembro de 2017

Teste inédito de câncer de próstata traz resultados mais específicos

Foi lançado um poderoso teste para auxiliar no diagnóstico de câncer de próstata: o p2PSA, por quimioluminescência. A ferramenta é inédita e capaz de reduzir o número de biópsias negativas e proporcionar decisões mais confiáveis, em questão de minutos. A ideia é tornar o processo de diagnóstico mais rápido através de um exame de sangue mais simples e, consequentemente, diminuir o número de biópsias desnecessárias melhorando os índices de diagnóstico na fase inicial da doença.

“O sistema de saúde terá uma economia enorme com o p2PSA, pois com ele um alto número de procedimentos cirúrgicos desnecessários será evitado. O p2PSA diminui bastante as condições de falsa positividade do teste, isto significa maior segurança ao paciente, e uma economia importante para o sistema como um todo”, explica o Dr. Nairo M. Sumita, médico e Diretor Científico da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML).

A dosagem do Antígeno Prostático Específico total (PSA total) é o marcador sérico mais amplamente utilizado para a detecção precoce do câncer da próstata. O p2PSA é a concentração no soro do [-2] pro PSA, uma isoforma de PSA, proenzima com dois aminoácidos residuais. Ou seja, trata-se de um exame mais específico.

Quando as medições de p2PSA são combinadas com os testes PSA e PSA livre, o índice resultante demonstra uma melhora significativa na especificidade clínica para detecção do câncer de próstata, em relação ao PSA isolado em homens com 50 anos de idade ou mais, com uma faixa de PSA de 2-10 ng/mL e sem achados suspeitos no exame de toque retal. Este índice resultante é conhecido como Índice de Saúde da Próstata ou phi. O phi aumenta a especificidade porque é uma combinação de três isoformas diferentes de PSA: PSA Total, PSA Livre e p2PSA.

Um resultado de phi baixo indica um risco potencialmente inferior de câncer de próstata, enquanto um resultado de phi elevado sugere que uma recomendação para a biópsia de próstata é ainda mais necessária.

Com base no documento World Cancer Report 2014 da International Agency for Research on Cancer (Iarc), da Organização Mundial da Saúde (OMS), é inquestionável que o câncer é um problema de saúde pública. A estimativa para o Brasil, biênio 2016-2017, aponta a ocorrência de cerca de 600 mil casos novos de câncer, sem desconsiderar o de pele não melanoma, o câncer de próstata aparece em primeiro lugar como mais frequente em homens, representando 28,6% (61.200 casos).

O teste já foi registrado na ANVISA, e está disponível no Laboratório TECNOLAB.

Fonte: labnetwork.com.br